04 novembro, 2009

Sorriso Sincero


A escolhi. A escolhi junto à aquela música, aquela mania, para ser meu verdadeiro desejo. Onde posso permitir-me. Permitir o tempo a mim. Saber que um ponto que qualifiquei como inalcançável depois de tocá-lo. Assim o dia dela será meu.
Ter a consciência da falta e da perda de um momento. Como aquele sopro de fumaça, uma forma inexistente e única, tuas curvas... Quem me dera saber colher os frutos que darão outros frutos. Esta para mim é a vida. Ser entendido por quem me importa. Isto para mim é felicidade.
Optar pela falta do verídico. O que escolho como arte, como vida. Intencionalmente alcançando erros, sem querer, roubando sorrisos. Mostrar a mentira dizendo a verdade.
Almejo. Invisto como posso.
Motivar os que voam a pousar. Incentivar os que permanecem em solo firme, a conhecer as nuvens.
Posso fazer, posso registrar, posso iluminar. Devo amar.
Assim como nos cartões postais da Itália.

3 comentários:

Luciana Frayha Righi disse...

...pois que li pensando nesta música.......esta mesma.......que lhe sorri.........

Willians disse...

eu que bebo em volta tenho o dever de enteder destas coisas tb.

Lidia M. disse...

E vossas ambições soam deveras altas.